sexta-feira, 25 de março de 2011

Proteção Radiológica

Princípios Básicos de Radioproteção
Princípio da Justificação: Qualquer atividade envolvendo radiação ou exposição deve ser justificada em relação a outras alternativas e produzir um benefício líquido positivo para a sociedade.


Princípio da Otimização: O projeto, o planejamento do uso e a operação de instalações e de fontes de radiação devem ser feitos de modo a garantir que os expositores sejam tão reduzidos quanto razoavelmente exeqüível = baixa (principio ALARA), levando-se em consideração fatores sociais e econômicas.


Principio da Limitação de Dose Individual: As doses individuais de trabalhadores e de indivíduos do público não devem exceder os limites anuais de dose equivalente estabelecidos em norma específica.


Limitação de dose e Otimização da radioproteção
1) Nenhum trabalhador deve estar exposto à radiação sem que:
        a) Seja necessário;
        b) Tenha conhecimento dos riscos radiológicos associados ao seu trabalho;
        c) Esteja adequadamente treinado para o desempenho seguro das suas funções;
2) Compensações ou privilégios especiais para trabalhadores não devem, em nenhuma hipótese, substituir requisitos aplicáveis de norma específica;
3) Menores de 18 anos não devem ser trabalhadores;
4) Gestantes não devem trabalhar em áreas controladas;
5) Para mulheres com capacidade reprodutiva, a dose no abdômen não deve exceder a 10 mSv em qualquer período de 3 meses consecutivos;
6) A dose acumulada no feto durante o período de gestação não deve exceder 1 mSv;
 7) Estudantes, aprendizes e estagiários menores de 16 anos, cujas atividades envolvam radiação, não devem receber, por ano, doses superiores aos limites primários para indivíduos do público, nem doses superiores a 1/10 daqueles limites em cada exposição independente;
8) Estudantes, aprendizes e estagiários entre 16 e 18 anos não devem receber doses superiores a 3/10 da dose do limite para trabalhadores;
9) Estudantes e estagiários com idade maior de 18 anos devem obedecer o limite para trabalhadores.


Sistemas de Radio-Proteção                                                                          
1) Óculos de vidro plumbífero;
2) Protetor de tireóide plumbífero;
 3) Capa plumbífera;
4) Protetor de gônodas plumbífero;
5) Luvas plumbífero;
Fatores
1. Tempo: Deve haver rigorosamente limitação de tempo de exposição, a fim de que o indivíduo não receba doses acima dos limites de tolerância estabelecidos. Quando um material radioativo é completamente absorvido pelo organismo, pouco ou nada pode ser feito para eliminá-lo da região onde se depositou . No entanto pode ser controlados os riscos das radiações internas, ou seja, aquelas cuja fonte já se encontra depositada no interior do organismo, seja por ingestão, inalação ou absorção através da pele, impedindo-se a assimilação de fontes radioativas pelo corpo humano ou controlá-la a níveis mínimos, garantindo que os limites de tolerância não sejam ultrapassados.
2. Distância: Vamos entender como distância, o espaço mantido entre o trabalhador e a fonte de radiação. Isto significa que o trabalhador pode realizar suas tarefas sem risco nenhum de ser atingido pelas radiações, porque se encontra numa distância segura. Esta medida é eficaz e muito simples de ser aplicada.
3. Blindagens: Corresponde à utilização de barreiras feitas de materiais que sejam capazes de absorver radiações ionizantes. Essas barreiras devem ser feitas e orientadas por especialistas para que não se corra nenhum risco. É comum o uso de barreira de chumbo ou concreto cuja espessura é dimensionada em função do tipo de radiação da qual se quer livrar.
Área livre: área isenta de regras especiais de segurança onde as doses anuais não ultrapassem o limite para o público (1mSv).
Área controlada: área restrita na qual as doses equivalentes efetivas anuais podem ser iguais ou superiores a 3/10 do limite para trabalhadores.
Efeitos Biológicos da Radiação Ionizante


1) Mecanismo:
 Radiação –> átomo (efeito comptom, fotoelétrico e produção de pares) –> fenômeno físico (ionização) –> fenômeno químico (ruptura nas ligações das moléculas) –> fenômeno biológico (em relação às moléculas) –> fenômeno fisiológico ( em relação ao organismo)


2) Tempo de Latência:
 Dose elevada – tempo curto; Doses baixas com tempo de exposição muito lento – latência de dezenas de anos.


3) Efeitos:
Reversíveis – poder de restauração das células;
Irreversíveis – câncer (mutação das células) X necrose (morte das células);
Transmissibilidade – a maior parte das alterações que ocorrem em uma célula não de transmitem a outras. Efeitos hereditários podem ser transmitidos através da reprodução (células germinativas);
Limiar – alguns efeitos biológicos exigem um valor mínimo de radiação ionizante para se manifestar. É o mínimo de radiação necessária para que ocorra algum efeito biológico);
Radiossensibilidade – as células não respondem igualmente a mesma dose de radiação. Ex.: plaquetas, leucócitos, hemáceas. (corresponde a sensibilidade de cada célula aos efeitos de radiação ionizante).


4) Classificação:
Somáticos – ocorrem nas células somáticas e não se transmitem aos descendentes. Ex.: lesão de pele (radiodermite); Hereditários – se transmitem aos descendentes;
 Estocásticos – a probabilidade de ocorrer é função da dose;
Não estocásticos (Determinísticos) – a gravidade aumenta com o aumento da dose e existe um limiar de dose.


5) Síndrome aguda da radiação:
Forma hematopoética da síndrome
   - Cada tipo de célula apresenta sensibilidade diferente para radiação;
   - As doses relativamente baixas (< 2Sv); 
   - As células afetadas são as com maior sensibilidade: leucócitos, linfócitos, medula óssea;
   - Estágio da doença: febre, infecção, hemorragia.
Forma de trato gastro intestinal
   - Acima de 6 Sv – células do tecido epitelial do trato gastro intestinal são destruídas, derrubando assim uma barreira vital. Logo teremos: perda de líquidos, infecção dominante e diarréia aguda.
Forma cerebral
   - Acima de 20 Sv. Provocando desorientação e choque.                            


6) Efeitos somáticos tardios:
Período de latência muito grande, anos após a radiação. Ex.: câncer.


7) Efeitos hereditários:
Atinge óvulos e espermatozóides.
Efeitos: albinismo, homofilia, daltonismo, etc.


8) Principais órgãos geralmente afetados pela radiação ionizante:
Gônodas –> medula óssea –> tireóide –> seios
Se não houver critério rigoroso de proteção e controle das radiações, haverá sempre o risco de exposição, não só para aqueles que operam equipamentos ou  para pesquisadores que lidam com tais elementos, mas também para pessoas que estiverem em locais executando tarefas bem diferentes. Todavia o risco à exposição de radiação depende das instalações e protetores existentes e do tipo de radiação se é mais ou menos intensa. Por  exemplo, as radiações gama e X podem atravessar paredes, avançar distâncias maiores com intensidade suficiente para causar danos à sociedade.
Os efeitos das radiações sobre o organismo dependem da dose recebida e podem se fazer sentir através da:
Ingestão,  os elementos radioativos penetram no organismo pela água ou comida contaminada;
Inalação de gases e poeiras radioativos corresponde a um grande perigo, devido ao fato de que a radiação é lançada dentro dos pulmões e nesse caso, pode ser facilmente absorvida;
Absorção de radiações através da pele é a mais comum e também muito perigosa. A exposição poderá ocorrer sobre todo o corpo ou sobre parte dele. Quando atinge todo corpo, o principal efeito é sobre o sangue e sobre órgãos formadores de sangue. Os danos são vários, como: anemia, leucemia, câncer de pele, câncer ósseo, câncer de tireóide, etc. Os efeitos da radiação dependem da radiação recebida. Por isso, quanto a exposição a radiação é localizada sobre determinado órgão, poderá destruí-lo uo lesá-lo. Por exemplo, quando atingem os olhos podem causar cataratas ou a cegueira. Atingindo a pele, torna-se seca e rígida, sujeita a queimadura, tumores e câncer. Poderá causar esterilidade temporária ou permanente, quando atinge os órgãos reprodutores. Podem até mesmo causar alterações nas gerações futuras do indivíduo exposto - são os efeitos genéticos. Enfim a exposição a radiações constitui um risco sério para o homem, se não houver meios de proteção e controle sistemáticos.
Medidas de prevenção e controle adotadas com muito critério e correção podem eliminar os riscos de qualquer fonte de radiação, chegando mesmo a manter qualquer exposição abaixo dos níveis estabelecidos.
Consegue-se o controle dos riscos de radiações externas, restringindo áreas específicas para as atividades que envolvam materiais radioativos e também adotando-se sistemática de trabalho e procedimentos que impeçam a contaminação de áreas vizinhas e do meio exterior, isto é, da água, do ar e do solo.
Da mesma forma, a proteção do trabalhador pode ser conseguida impedindo-se que as fontes radioativas atinjam as vias de absorção do organismo. Isto pode ser feito através da utilização de adequados equipamentos, métodos e técnicas de operação, bem como através do cumprimento de normas rígidas na execução de tarefas.
Em geral, as radiações são invisíveis e dificilmente detectáveis pelas pessoas, através dos seus sentidos, com exceção da parte visível do espectro. Considerando os efeitos térmicos (aquecimento) provocados pelas radiações, se esta for perigosa, a sensação de calor pode não mais servir para avisar o risco. O mais correto é utilizar detectores nos locais para acusar a existência e intensidade da radiação, porém só especialistas devem lidar com estes detectores.   


Como um profissional totalmente responsável pelas próprias ações, a responsabilidade da proteção radiológica tanto do paciente quanto dos companheiros de trabalho é particularmente importante para os técnico. Um estudo completo e a compreensão da proteção radiológica é essencial para todo tecnólogo radiologista, mas está além do escopo deste texto sobre anatomia e posicionamento. Entretanto, a aplicação ou os princípios de proteção radiológica são partes essenciais de um curso de anatomia e posicionamento radiológico, porque é responsabilidade de todo técnico sempre certificar-se de que a dose de radiação recebida tanto pelo paciente quanto pelo examinador seja a mínima possível.
Proteção do técnico: Os técnicos devem sempre lembrar que pela própria natureza de seu trabalho sofrem exposição ocupacional à radiação e, portanto, devem seguir todas as práticas de segurança possíveis para limitar a exposição.
Padrões federais permitem que os radiologistas recebam até 5 rem por ano, uma dose máxima permissível (DMP) que é dez vezes maior que a dose limite para a população geral. Entretanto, devido ao pequeno risco dos efeitos a longo prazo de baixos níveis de radiação, é importante que os radiologistas limitem ao máximo possível a sua exposição. Há um princípio de proteção denominado ALARA que vai muito além na proteção do trabalhador que o nível DMP. Este princípio afirma que a exposição ocupacional deve ser mantida “As Low As Reasonably Achievable” (no menor nível possível). Este é um importante princípio pelo qual todos os radiologistas devem esforçar-se, e a seguir é fornecido um resumo de quatro formas importantes pelas quais pode ser alcançado:
1- Sempre usar um dosímetro ou outro dispositivo de monitorização, embora o dosímetro não diminua a exposição do usuário, a existência de registros precisos a longo prazo de dosímetro ajuda na avaliação de um programa de segurança radiológica.
2- Se for necessário conter os pacientes, a pessoa que auxilia na contenção NUNCA deve ficar na frente do feixe primário ou útil e deve SEMPRE usar aventais e luvas de proteção. Utilizar aparelhos ou faixas de contenção sempre que possível, e apenas como último recurso deve alguém permanecer na sala para conter os pacientes, esta pessoa nunca deve pertencer à equipe de radiologia.
3- Em exames no leito ou de pacientes traumatizados e em procedimentos de fluoroscopia, SEMPRE usar aventais de chumbo e permanecer o mais distante possível (princípio da lei do inverso do quadrado) da fonte de raios X para proteção contra exposição à radiação difusa.
4- Praticar o uso da colimação, filtração do feixe primário, técnicas de maior kVp, écrans de alta velocidade, e mínima repetição de exames. A exposição do radiologista é devida basicamente à radiação dispersa do paciente. Portanto, a redução da exposição do paciente resulta em redução da exposição do radiologista também.
LIMITES PRIMÁRIOS ANUAIS (12 meses) de DOSE EQUIVALENTE


Dose EquivalenteTrabalhadorPúblico
Dose equivalente efetiva50 mSv (5 rem)1 mSv (0,1 rem)
D. E. E. por órgãos ou tecidos500mSv (50 rem)1 mSv/Wt
Dose equivalente na pele500mSv (50 rem)50 mSv (5rem)
Dose equivalente p/ cristalino150mSv (15 rem)50 mSv (5 rem)
Dose equivalente p/ extremidades500 mSv (50 rem)50 mSv (5 rem)

Proteção do paciente
Todo profissional técnico está sujeito a um código de ética que inclui responsabilidade pelo controle e limitação da exposição à radiação dos pacientes sob seus cuidados. Esta é uma responsabilidade séria e cada uma das seis formas específicas, fornecidas a seguir, para reduzir a exposição do paciente deve ser compreendida e posta em prática. Estas são:


1. Repetição mínima de radiografias: A primeira e mais básica forma de evitar radiação desnecessária é evitar a repetição desnecessária de radiografias. Uma das causas de repetição de radiografias é a má comunicação entre o técnico e o paciente. Instruções confusas e não compreendidas sobre a respiração são uma das cousas mais comuns de movimento e da necessidade de repetição das radiografias. Quando os procedimentos não são claramente explicados, o paciente pode apresentar maior ansiedade e nervosismo devido ao medo do desconhecido. Esta tensão decorrente da incerteza e do medo freqüentemente aumenta o estado de confusão mental do paciente e compromete usa capacidade de cooperar totalmente. Para evitar isso, o radiologista deve levar o tempo necessário, mesmo com pouco tempo e escalas de trabalho apertadas, para explicar cuidadosa e completamente as instruções respiratórias, bem como o procedimento geral em termos simples que o paciente possa compreender.
Os pacientes devem ser avisados antecipadamente de quaisquer movimentos ou ruídos estranhos do equipamento durante a exposição. Também qualquer sensação de queimação ou outros possíveis efeitos de injeções durante exposições devem ser explicados ao paciente.
O descuido no posicionamento ou a seleção de fatores de exposição incorretos também são causas comuns de repetições e devem ser evitados.
O posicionamento correto e preciso requer um bom conhecimento e compreensão de anatomia porque estes permitem ao técnico visualizar o tamanho, formatos e localizações das estruturas radiografadas.               


2. Filtração correta: A filtração do feixe primário de raios X reduz a exposição do paciente pela absorção da maioria daqueles raios X “inúteis” de menor energia que expõe basicamente a pele e o tecido superficial do paciente. O efeito final da filtração é um “endurecimento” do feixe de raios X, resultando em um aumento da energia efetiva ou da penetrabilidade do feixe de raios X.
A filtração é descrita de duas formas. A primeira é a filtração inerente ou integrante das estruturas que constituem o próprio tubo de raios X. Para a maioria dos tubos de raios X esta eqüivale aproximadamente a 0,5 mm de alumínio. A segunda, e mais importante para os técnicos, é a filtração adicional, que é o grau de filtração acrescentado entre o tubo de raios X e o colimador.
O alumínio é o metal mais comumente usado para filtros em radiologia diagnóstica, sendo o molibdênio freqüentemente usado em mamografias. O grau de filtração adicional necessária, estabelecido por leis federais, depende da faixa de kVp operante do equipamento. Os fabricantes do equipamento de raios X devem atender a estes padrões. A filtração do equipamento é avaliada anualmente ( e após um grande reparo do equipamento, tal como a substituição do tubo ou colimador) por pessoal qualificado, tal como um físico médico. A responsabilidade do técnico é verificar se o filtro apropriado, para cada tubo, está no lugar.


3. Colimação: Colimação precisa é outra forma importante de reduzir a exposição do paciente por limitação do tamanho e do formato do feixe de raios X apenas à área de interesse clínico, ou àquela área que deve ser visualizada no filme ou em outro receptor de imagem.
O colimador retangular variável é comumente usado em equipamento radiográfico diagnóstico para fins gerais. O campo iluminado define cuidadosamente o campo do feixe de raios X em equipamento precisamente calibrado e pode ser usado de forma eficaz para determinar a região irradiada.
O conceito de divergência do feixe de raios X deve ser considerado na colimação precisa. Portanto, o tamanho do campo iluminado que aparece na superfície cutânea do paciente apresentar-se-á menor que o tamanho verdadeiro da área anatômica que está colimando. Isto é mais evidente em um exame lateral da coluna torácica ou lombar no qual há considerável distância entre a superfície cutânea do campo iluminado, quando colimado corretamente na área de interesse, parecerá muito pequeno, exceto se for considerada a divergência do feixe de raios X.
A prática da colimação à área de interesse clínico resulta em uma significativa diminuição da exposição do paciente e aumenta a qualidade da imagem através de diminuição da dispersão.
Regra de Colimação: Uma regra geral indica que os limites da colimação devem ser visíveis no filme em todos os quatro lados, se o tamanho do filme for suficientemente grande para permitir isto, sem cortar a anatomia essencial. Para algumas partes do corpo, tal como um grande abdômen de adulto, pode não ser possível colimação lateral visível na radiografia. Entretanto, na maioria dos exames, tal como dos membros superiores e inferiores, coluna vertebral e crânio, a colimação dos quatro lados visível na radiografia é possível sem cortar a anatomia essencial.


4. Proteção de áreas específicas: A proteção de área específica é necessária quando tecido ou órgãos particularmente sensíveis, tais como o cristalino, mamas e gônadas, estão dentro ou próximas do feixe útil. Exemplos deste tipo de proteção da área são os protetores da mama e gônadas que podem ser usados sobre mamas e gônadas juvenis para determinados exames, tal como a seriografia da coluna na escoliose. Outro exemplo é um tio de protetor ocular que pode ser usado ao radiografar partes do crânio se não encobrir a anatomia essencial.
A proteção da área mais comum é a proteção gonadal, usada para proteger os órgãos reprodutivos da irradiação quando estão dentro ou próximo do feixe primário.
Os escudos gonadais para homens devem ser colocados distalmente à margem inferior da sínfise púbica, cobrindo a ária dos testículos ou escroto. É um pouco mais difícil determinar a proteção gonadal em mulheres para cobrir a área dos ovários, trompas de falópio e útero. Uma regra geral para mulheres adultas é cobrir uma área 8-10 cm acima da sínfise púbica e 4-5 cm para cada lado da linha média pélvica. Podem ser usados vários formatos de escudo tais como oval, redondo, em forma de coração, em forma de V ou U e triangular. A área protegida seria proporcionalmente menor em jovens com apenas cerca de 2,5 cm de largura e 4 cm de comprimento colocado diretamente acima da sínfise púbica.
Para mulheres estes escudos de contato planos colocados corretamente sobre as gônadas podem reduzir a exposição em cerca de 50%. A redução da exposição das gônadas em pacientes do sexo masculino é maior, de até 90-95 % quando escudos de contato são usados corretamente.


5. Proteção nas gestações: As gestações e possíveis gestações exigem consideração especial para todas as mulheres em idade de procriação em virtude da evidência de que o embrião em desenvolvimento é particularmente sensível à radiação. Esta preocupação é particularmente crítica durante os dois primeiros meses de gravidez quando o feto é mais sensível à exposição à radiação, e a mãe geralmente não está ciente da gravidez. Portanto, devido à preocupação com possíveis gestações de mulheres em idade fértil, a regra dos dez dias foi recomendada pela CIRP (Comissão Internacional de Rádio-Proteção).
Regra dos dez dias: esta regra afirma que todos os exames radiológicos da pelve e da parte inferior do abdômen devem ser marcados durante os primeiros dez dias após o início da menstruação. Este é o período em que se tem maior certeza de não haver gravidez. A exceção a esta regra seria se o médico considera que é melhor que a paciente seja submetida a este exame mesmo após este período de dez dias, com os possíveis riscos.
Em grandes departamentos não é prático, ou é mesmo impossível, certificar-se de que todos os exames sejam marcados seguindo esta regra dos dez dias. Entretanto, cartazes ou letreiros devem ser colocados nas salas de exame e de espera, lembrando à paciente que deve informar alguém sobre sua certeza ou possibilidade de gravidez.
Se a regra dos dez dias não pode ser sempre seguida para possíveis gestações, é importante utilizar todas aquelas práticas de proteção radiológica, principalmente a colimação cuidadosa e a proteção das gônadas.
Na gestação conhecida, os exames a seguir resultam em maiores doses para o feto e podem exigir confirmação do médico solicitante e do radiologista quanto à indicação do exame: Coluna lombar – Pelve – Sacro e Cóccix – Fêmur proximal e quadril – Urografia intravenosa – Vesícula biliar – Procedimentos fluoroscópicos (Abdômen) – Tomografia computadorizada (abdômen)


6. Fatores de exposição ótimos e combinações filme-écran de alta velocidade: Outra prática importante de proteção radiológica envolve o uso daqueles fatores de exposição ótimos e de combinações filme-écran de alta velocidade, que redizem a exposição do paciente.
A seleção de fatores de exposição ótimos não deve apenas resultar na maior qualidade possível da radiografia fornecendo o máximo de informações diagnósticas, mas também deve resultar na menor dose possível para o paciente. O uso de técnicas de elevada kVp com menor mAs reduz significativamente a dose para o paciente. Foi fornecida uma regra geral que afirma que devem ser selecionados a maior kVp e o menor mAs possíveis que resultem em uma radiografia aceitável.
O uso de combinações filme-écran ideais também reduz fortemente a dose recebida pelo paciente. Para écrans de velocidade média, cerca de 95% da exposição radiográfica resultam da luz emitida pelos écrans intensificadores e apenas 5% dos raios primários. Esta percentagem é ainda maior com écrans de alta velocidade comumente usados hoje, tal como écrans de terras raras, assim reduzindo ainda mais a dose recebida pelo paciente.
Determinados filmes com emulsão mais espessa ou com diferentes sais químicos são mais rápidos ou mais sensíveis, reduzindo, assim, o grau de exposição necessário. Entretanto, o uso de filmes e é crans de maio velocidade reduz a definição da imagem ou a nitidez dos detalhes. Portanto, é tal como dos membros superiores e inferiores, quando não se usa uma grade. Uma regra geral semelhante à regra da kVp-mas afirma “Use a combinação filme-écran de maior velocidade que resulte em imagens aceitáveis para diagnóstico”  


Imagens de Equipamentos de Proteção Radiológica. 


Dosímetros


Óculos Com Lentes Plumbíferas
Óculos para Proteção Radiológica


Luva Plumbífera 

Avental Plumbífero Tipo Casaco 







Protetor para região genital ,  Equivalência em chumbo de 0,50mmPb, com cinto e fecho regulável para ajuste.



Avental de Borracha Plumbífera



Protetor de Tireóide 

19 comentários:

  1. Priscyla gostei de ver os equipamento de proteção.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo trabalho!!!
    Ah,segue lá no Twitter @franklinsamba
    Bjão e boa sorte!

    ResponderExcluir
  3. aaah, mt bom Pri ! gostei muito .. *-*

    ResponderExcluir
  4. Muito bém, gostei muito da forma de informação
    voçê pensou em tudo, para que as pessoas se apróximem mais da forma correta de buscar saúde.
    Parabéns, sucesso, bjss.... Eduardo Medeiros.

    ResponderExcluir
  5. priscyla o seu trab.estar e parabéns.muito bom o seu assunto.valeu

    ResponderExcluir
  6. Priscyla,
    Você está de parabéns
    Seu trabalho está otimo
    Continue sempre assim!!!

    =*

    ResponderExcluir
  7. Muito bem escrito e abordado de forma exemplar!
    Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  8. Parabéns Prii :D
    Excelente TRABALHO!!!

    ResponderExcluir
  9. O material ficou otimoooo
    Parabens pelo trabalho!

    ResponderExcluir
  10. adorei a matéria !!! tá de parabénsss Priscyla

    ResponderExcluir
  11. MUITO BOA ESSA MATÉRIA, ADOREI, DEU PARA SABER BEM SOBRE A PROTEÇÃO RADIOLOGICA. PARABÉNS!

    ResponderExcluir
  12. Nossa é muito legal trabalhar copm segurança. Parabéns por nos mostrar os equipamentos usados. Bjos!

    ResponderExcluir